Mulheres Tapajônicas

Passando por cima
Afirmação
Segurança alimentar
Aprendendo com Belo Monte
Impactos das mudanças climáticas
Desmatamento e serviços ambientais
Violência contra a mulher
Mulheres na linha de frente
Impactos das hidrelétricas
Garimpo e mineração no Tapajós
Modelo energético brasileiro

Os povos do rio Tapajós, no norte do Brasil, estão sendo profundamente afetados por grandes projetos de infraestrutura (hidrelétricas, portos, hidrovias) e pelo extrativismo em larga escala, como se não bastassem as mudanças climáticas que já afetam esses povos e seus meios de vida. Os povos indígenas e as comunidades ribeirinhas estão entre as populações mais vulneráveis e invisibilizadas do país e o Clímax Brasil buscou por meio da série de ilustrações Mulheres Tapajônicas trazer as vozes das mulheres para um público mais amplo. A partir das ilustrações, são abordados temas como a mudança do clima, os impactos socioambientais das hidrelétricas, o modelo energético brasileiro, os impactos das mudanças climáticas, segurança alimentar, desmatamento, acesso à água, mineração e protagonismo feminino.

 

Quando abordamos a questão climática, corremos o perigo de buscar apenas soluções técnicas e deixar de lado o combate a injustiças, ignorando questões históricas e políticas e relações de poder pré-existentes. As mulheres são mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas por estarem na camada mais pobre da população pobre, por possuírem acesso restrito à educação e a trabalhos remunerados e por serem as principais envolvidas em trabalhos não remunerados, entre outras questões. Geralmente, possuem pouca influência em processos de planejamento e de tomada de decisão e não são vistas como cidadãs que possuem direitos ou como agentes de mudança. No caso da região do Tapajós, está claro que uma agenda de desenvolvimento determinada por atores ricos e poderosos já está afetando e vai afetar a vida dessas mulheres. Essa mesma agenda de desenvolvimento contribui para as mudanças climáticas e já está afetando a realidade dessas pessoas.

 

Participamos da II Caravana em Defesa dos Povos do Rio Tapajós, em Itaituba, no Pará, entrevistando as mulheres da região. Queríamos ouvi-las sobre como esses megaprojetos em andamento e em planejamento na bacia do Tapajós já estão afetando suas vidas, de suas famílias, comunidades e seus costumes. O registro dessas conversas, você pode conferir aqui, basta clicar nas imagens para ampliá-las.

 

Além de estarem disponíveis online, essas ilustrações podem e devem ser baixadas e espalhadas pela sua cidade.

COMO PARTICIPAR

 

Para participar da intervenção é só fazer o download do material, imprimir e mandar ver por onde quiser na sua cidade.

 

PASSO-A-PASSO da ação

- Vá em: http://bit.ly/IntervencoesCB e faça o download do arquivo

- Imprima

- Você não sabe como fazer para espalhar os pôsteres lambe-lambe? Saiba como em: http://bit.ly/guialambelambe

- Saia pela cidade, de preferência com outras pessoas, e espalhe a intervenção por onde quiser

- Registre esse momento (pode ser em vídeo ou em fotos, como preferir)

- Marque nas redes sociais (Twitter, Facebook, Instagram, etc.) com a hashtag #TapajósVivo e marque e compartilhe sua foto no mural do Clímax Brasil no Facebook

 

É simples, vai? Deixa de preguiça! Agora é só fazer aí na sua cidade!

 

*Use o bom senso, não cole lambes em monumentos públicos, existem muitos espaços para você fazer sua arte, respeite todos os tipos de arte, goste ou não.

Clique nas imagens para ver as histórias

Ações & Intervenções